• Reaction Consultoria

Infelicidade no trabalho, o que fazer?


INTRODUÇÃO

Um dia desses, um amigo veio perguntar o que achava sobre infelicidade no trabalho, reclamando muito sobre como se sentia, e o desejo de abrir um negócio próprio para fugir de tudo.

FELICIDADE NÃO SE MEDE

Para começar o drama, o conceito de felicidade é muito relativo, não há de fato como se medi-la, o que faz uma pessoa feliz, não fará necessariamente outra pessoa, isso varia com a cultura do país, da pessoa, seus próprios valores, e diversas outras variáveis que tornam essa medição quase impossível, fazendo com que cada um, a veja de uma forma, principalmente por comparação com outra pessoa.

FELICIDADE E AS GERAÇÕES X, Y e Z

Até pouco tempo atrás o trabalho era visto somente como um meio para conseguir a felicidade, seja com uma viagem, ou uma casa nova, ou um carro. A felicidade no trabalho em si não era "obrigatória", a geração X, do pós-guerra teve isso muito forte, já que comparativamente, seus pais tiveram vidas, realmente, mais difíceis, então não havia o que se pensar em felicidade no trabalho, se compararmos com a realidade vivida pelos antepassados.

Com a geração Y, essa busca pela felicidade no trabalho começa a ser mais forte, sendo definitiva com a geração Z, que torna quase uma obrigação que isso ocorra. Um evento que fortaleceu essa perspectiva foi a explosão das comunicações digitais, como Instagram, Facebook, Snapchat, etc.

Esses apps e sites, favorecem a percepção, pela comparação da APARENTE felicidade PLENA alheia, gerando um sentimento de infelicidade pessoal, por não ter, ou achar que não tem o que faz as pessoas felizes ao seu redor.

É o velho ditado "a grama do vizinho é sempre mais verde" só que modernizado, agora não envolve somente o seu vizinho, e a grama. Temos todos os nossos "amigos" de facebook, twitter e instagram, e suas vidas inteiras, viagens, namoros, passeios, etc para se espelhar.

Confira nosso post Eficiência x Eficácia.

DESCONTENTAMENTO x INFELICIDADE

Tendo a diferenciar as duas ideias, a infelicidade de fato se relaciona a assédio, bullying, exclusão social, corrupção, escravidão, etc. Mas esses são casos extremos e pouco comuns.

E temos o descontentamento com algum aspecto do trabalho, como o salário baixo, plano de carreira fraco, um colega que não se dá bem, problemas com o chefe, etc. Esse sim, ocorre com bastante frequência.

O que diferencia um do outro é a gravidade, na infelicidade a situação é bem pouco tolerável e isso implica em uma saída mais imediata, a segunda é altamente tolerável e te permite ter um tempo maior para aplicar a resolução em 3 passos a seguir.

RESOLUÇÃO EM 3 PASSOS

O mercado de trabalho no Brasil não é fácil, ter um emprego é pra poucos, bom e plenamente feliz é algo mais raro ainda, por isso não podemos nos dar ao luxo de se demitir por qualquer situação, principalmente, como visto anteriormente, se for um caso de descontentamento.

Os passos a seguir servem para ambas situações:

Primeiro Passo - Analisar o problema friamente - Tente ver o problema com outros olhos, ele ocorre com todas as pessoas, ou somente com você? É algo pessoal, como um implicância sua? Tente olhar pela visão do empregador e dos seus pares. Será que não é só você que está de implicância com o chefe, se ao invés de trabalhar fica utilizando o celular e por isso não é promovido, se o seu perfil não está de acordo com a área, se faz fofoca, etc.

Veja qual a origem do problema, muitas vezes as pessoas tendem a negar e não perceber que o problema é dela própria, seja em atitudes, seja em expectativas, como crer que teria um salário mais alto, ou um aumento.

Segundo Passo - Plano de Remediação - O problema definido, seja ele qual for, sendo sua culpa, ou realmente do trabalho, o momento agora é de planejar o que fazer. Ex: Solicitar mudança de área, ou de equipe, uma nova oportunidade dentro da própria empresa, ou se demitir realmente, mas mesmo nesses casos de demissão, é planejar o que será feito, vai se demitir e iniciar um curso, uma graduação, qual curso? E por qual motivo? Tenho dinheiro poupado para isso, e por quanto tempo?

Ou como meu amigo queria, abrir um negócio, mas não se abre um negócio sustentável da noite pro dia, vai acabar sem emprego e endividado. Então que negócio vai abrir? Tem dinheiro? Onde seria? O que seria vendido?

Terceiro Passo - Executar plano - Agora é o momento de por em prática o que foi planejado por exemplo: formalizar a solicitação de mudança de área ou equipe, ou pedido de promoção e aumento, mas dessa vez tendo já planejado quais serão os motivos, argumentos e contra-argumentos para discutir com seu chefe, ou abrir sua empresa, mas dessa vez tendo também um planejamento estratégico ou plano de negócios desenhado.

Confira nosso post sobre como fazer um Planejamento Estratégico (Em 3 partes!!!).

EQUILÍBRIO E FELICIDADE

Obviamente, o que todos queremos é sermos plenamente felizes no trabalho, ganharmos bem, e ainda podermos aproveitar a vida, alguns conseguem, mas isso não é o padrão, apesar do Instagram mostrar o contrário. Em ambos os casos, analise friamente a situação, veja se não é exagero, ou se é uma má fase temporária; desenvolva planos para resolver os problemas, muitas vezes, uma simples conversa já ajuda.

Busque o equilíbrio, pode não ter o melhor chefe do mundo, mas de repente tem bons colegas de trabalho, um trabalho legal, ou um ambiente interessante, foque nisso, nem sempre dá para ter tudo, a maioria disparada dos brasileiros ganham pouco, trabalham muito, e não fazem o que gostam. E mesmo que no trabalho, tenham poucos atrativos, tente buscar ao máximo a felicidade fora, com a família e amigos, no final é isso que importa.

O que está esperando? Contrate uma consultoria e veja os benefícios você mesmo.

Reaction Recomenda:

Confira mais recomendações para você e seu negócio em nossa área de conhecimento.

#Produtividade #RedeSocial #Organização #EmpresadeConsultoriaEmpresarial #ConsultoriaEmpresarial #PlanejamentoEstratégico #ObjetivosEstratégicos #Estratégia #Infelicidade

© Reaction Consultoria